Cyndi Lauper entrevista Kesha para a revista Time

A edição da revista TIME deste mês, concebeu a 15ª lista com as 100 celebridades mais influentes de 2018. A cantora Kesha foi incluída na lista em que a entrevistou foi nossa rainha Cyndi Lauper! Kesha que foi nomeada como um ícone foi descrita por Cyndi no início da entrevista com as seguintes palavras: “Graças a Kesha e outras mulheres que se levantaram para exigir justiça e direitos, estamos começando a virar uma nova página. Demorou muito para chegarmos a esse momento cultural, e temos um longo caminho a percorrer, mas, graças a pessoas como Kesha, finalmente estamos começando a progredir”, disse Lauper sobre a artista.

A publicação dividiu em cinco categorias (Pioneiros, Artistas, Ícones, Líderes e Titãs), as celebridades que foram elencadas pela TIME, não por ordem de importância, foram entrevistadas por outros grandes nomes. Na edição, Rihanna foi entrevistada por Adele; Jennifer Lopez pela atriz Kerry Washington, Cardi B por Taraji P. Henson, Shawn Mendes por John Mayer e Kesha foi entrevistada por Cyndi Lauper. “As mulheres representam cerca de metade da força de trabalho dos EUA, mas de alguma forma ainda estamos lutando pela igualdade, inclusive na indústria da música”, diz Lauper sobre o movimento #MeToo.

A revista estará nas bancas a partir do dia 30 de abril (EUA), e ela conta com a cantora e atriz Jennifer Lopez.

Veja abaixo a matéria:

Kesha falou contra o assédio sexual e agressão muito antes do movimento #MeToo estava fazendo manchetes, e quase perdeu sua carreira como resultado. Mas em vez de ir embora em silêncio, ela lutou de volta. E ela fez Rainbow, um álbum que eu acho que inclui algumas das melhores músicas que ela já escreveu.

Quando me pediram para ficar ao lado de Kesha e cantar uma dessas músicas – “Praying” – no Grammy deste ano, fiquei honrada e emocionada. Era importante que ela fosse capaz de contar sua história. Mas também era importante que nós, eu, Bebe Rexha, Camila Cabello, Julia Michaels e Andra Day, pudéssemos ficar no palco com ela. Esse desempenho mostrou o poder da irmandade. Foi um lembrete de que nenhum de nós está sozinho.

As mulheres representam cerca de metade da força de trabalho dos EUA, mas de alguma forma ainda estamos lutando pela igualdade, inclusive na indústria da música. Graças a Kesha e outras mulheres que se defenderam para exigir justiça e justiça, estamos começando a virar uma nova página. Levou muito tempo para chegarmos a esse momento cultural, e temos um longo caminho a percorrer, mas graças a pessoas como Kesha, estamos finalmente começando a progredir.

Cyndi Lauper é uma artista vencedora do Grammy

COMENTÁRIOS